" O tempo é a essência oculta da vida, é a própria vida em todo o seu percurso" (da Sabedoria Logosófica)

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Boas Maneiras não fazem mal a ninguém



É certo que um ser culto e de boas maneiras chama atenção aonde passa, e também inspira a quem convive com ele; da mesma forma o contrário acontece. Quem não tem boas maneiras e cultura deve causar rechaço e semear desconforto, no  minimo onde passa.

Quando falo em cultura não falo no ser que tem muito conhecimento de tudo o que se pode ter, de seres ilustrados, não, quando falo culto, falo do ser que cultiva dentro de si valores morais e éticos e que por isso sabe como se portar onde esteja.

Eu não sou, certamente, exemplo da melhor conduta, mas nem da pior, tenho certeza, porém me esforço, busco este cultivo através do estudo, da observação e obedecendo a preceitos que aprendi desde a infância. Um deles de que o meu espaço na vida termina onde começa o do outro. Existe verdade maior que esta? Penso que não e comprovo que não. Como comprovo também que é uma via de mão dupla. O meu espaço termina, mas o do outro também termina, e para que tudo fique bem, há que haver um equilíbrio de espaços; quando não há chamamos o ser de espaçoso. 
companheiro de viagem
Nesta semana tive a oportunidade de viajar a Curitiba, cidade que gosto muito, para fazer um curso de ortodontia, mais um módulo de meu curso. Estou adorando o curso, movimenta a mente, o físico, e trás energia e vontade.

A oportunidade foi da viagem. Não temos avião direto daqui a Curitiba, de modo que fui e voltei de ônibus. Tanto na ida como na volta, muitas oportunidades de observar a conduta dos seres. Principalmente na ida. E é sobre isso que vou escrever, sobre a conduta da minha "companheira" como ela me chamou, de viagem.

Eu não sou de muita conversa e quando viajo aproveito a oportunidade para ouvir musicas que gosto e pensar na vida, organizar algumas coisas que não dá tempo na correria do dia a dia, e tenho muitas boas idéias nestes momentos; mas até ai tudo bem porque puxar conversa não é deselegante. Só que eu não estava "a fim" de conversa. Eis que o celular desta senhora chama e ela inciai uma conversa que durou ao menos 10 minutos, em altos brados, de maneira que todos no ônibus poderiam saber do que se tratava, principalmente eu, mesmo com os fones de ouvido e minhas queridas musiquinhas a tocar.  Fui salva da conversa, mas não meus "companheiros" de viagem. 

                                                   fale ao telefone com respeito ao outro em viagem


Acabada a conversa, ela se acomoda para dormir, e eis que em 8 horas de viagem foi um ringue de luta livre tantas foram as acotoveladas que recebi.Ela estava dormindo, e a cada movimentação, seu espaço aumentava em direção à minha poltrona, chegou ao ponto de se apoiar em meu braço. Nesse momento eu estava cochilando, deviam ser umas 3 horas da manha, Acordei com dor no braço, sem saber o que ocorria. 


Bem, chegamos ao nosso destino, e ela começa a dobrar cobertas, puxar daqui e dali as suas coisas, completando a invasão de espaço. Eu não queria ser grosseira, então internamente travei uma conversa comigo mesma, evitando de ser mal educada com a senhora, fique de olhos fechados, e ela puxou assunto com a companheira do banco da outra fileira, dizendo que eu dormia muito, e que já tínhamos chegado. Acabou por me acordar dizendo já chegamos companheira! Me contive, apenas lhe disse:

A senhora quer passar!

Ao que ela passou e pude enfim, relaxar um pouco acomodando meus pensamentos e contendo minha vontade de acotovela-la também.

Na volta, viaje sem "companheira" ao meu lado. Pensei, vou descansar finalmente, uma viagem tranquila. Mal sabia eu que meus "companheiros no banco detrás do meu, seriam duas crianças e uma mãe. Queridos, bem que se esforçou aquela mãe para que seu pequeno, que devia ter uns três aninhos, pudesse dormir, mas foram poucos momentos de quietude no ônibus. Mas essa é outra historia, para outro post, Pensei neste momento quantas vezes eu também com minhas filhas posso ter atrapalhado o sono de quem viajava querendo um pouco de sossego, ao menos por algumas horas.

Existem regras para estes momentos? Sim existem! Quem sou eu para ditar regras, mas vou citar algumas que vejo que são essenciais, porque se vive em sociedade, e por mais tolerância que se tenha, e eu tenho muita, quem me conhece pessoalmente sabe, por mais tolerância que se tenha, ela acaba, quando começa o abuso.

Regra número 1:  Fale ao telefone em um volume que não seja audível aos seus vizinhos. (isso serve para todas as situações, não só em ônibus, sem exceção)


                                      

Regra número 2: Se  você é espaçoso, compre dois bancos ao viajar de ônibus.

                                             

Regra número 3: Mesmo que vá dormir, existem maneiras de se adequar ao espaço que se tem, sem invadir o espaço do outro, no caso, o companheiro de viagem.

                                          

Regra número 4: Observe a fisionomia de quem esta ao lado antes de puxar uma conversinha, sempre a fisionomia da pista da intenção.

                                          

Regra número 5: Os incomodados que se mudem. Esta serve para mim, que me incomodei. Só que não tinha nenhuma outra poltrona vaga, senão não teria duvidas, faria uma mudança.

                                         






É isso ai!
Serei eu a primeira a cumprir estas regras, se não, pode me cobrar....